Faculdade de Ciências
Farmacêuticas de Ribeirão Preto

Universidade de São Paulo

IDIOMAS: | INTRANET

Histórico e Objetivos


NÚCLEO DE PESQUISAS DE PRODUTOS NATURAIS E SINTÉTICOS (NPPNS)

      
        No final da segunda metade dos anos 60 do século passado, um grupo de docentes da Faculdade de Farmácia e Odontologia de Ribeirão Preto desenvolvia seus trabalhos de pesquisa em uma linha comum, na área de química de produtos naturais de origem vegetal, a maioria com o objetivo de elaborar a sua tese de doutoramento, no sistema então vigente. Os cursos de pós-graduação, com a estrutura que conhecemos, estavam ainda em sua fase inicial de planejamento e estruturação,  fruto  do Parecer do Prof. Newton Sucupira, na CAPES, de 1965. Vale ressaltar que a formalização da pós-graduação na Universidade de São Paulo ocorreu em agosto de 1969.  Este grupo de docentes, do qual faziam parte os Profs. Dr. José Norberto Callegari Lopes, Dra. Alfreda William Thames, Walter Vichnewski, David dos Santos Filho,  Ana Maria Tucci Turco e Silvio José Sarti, aos quais se uniu o Prof. João Luis Callegari Lopes, no início da década seguinte, recém contratado pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, foi o responsável pelo surgimento do primeiro núcleo de pesquisas na Faculdade.



Antigo prédio da Faculdade de Farmácia e Odontologia de Ribeirão Preto

        Tendo em vista o interesse por uma linha de pesquisa comum e em função da necessidade de união de esforços para a implantação de infra-estrutura adequada, este grupo criou e implantou o Núcleo de Pesquisas de Produtos Naturais da Faculdade de Farmácia e Odontologia de Ribeirão Preto (NPPN/RP) em 1973, tendo como objetivo principal o isolamento, elucidação estrutural e avaliação da atividade farmacológica de substâncias naturais isoladas de vegetais. Esta iniciativa foi uma conseqüência natural da experiência que vários membros do grupo haviam vivenciado durante seus períodos de estágio de pesquisa no então Centro de Pesquisas de Produtos Naturais (CPPN) na Universidade Federal do Rio de Janeiro e da importância de uma estrutura organizada em torno de objetivos comuns na busca de recursos para o desenvolvimento da pesquisa, uma vez que vinham trabalhando em conjunto e já haviam conseguido substancias recursos das agências de fomento. Deve ser ressaltado que, neste mesmo período, o Instituto de Química da USP acolheu o Laboratório de Química de Produtos Naturais, criado e mantido por algum tempo pela FAPESP e depois anexado ao citado Instituto. A direção científica do Laboratório foi confiada ao eminente Prof. Otto Richard Gottlieb, que com sua excepcional experiência e criatividade determinou a posição de liderança nacional daquele grupo de pesquisa, por várias décadas, inclusive com reconhecimento internacional.

Prof. Dr. Walter Vichneswski operando o primeiro CG
Prof. Dr. Walter Vichnewski operando o primeiro aparelho de CG


           Os fundadores do NPPN/RP elaboraram e submeteram vários projetos de pesquisa, alguns em conjunto com o CPPN da UFRJ, em agências nacionais e do exterior, como FAPESP, CNPq e FORGE (EUA), alem de setores da iniciativa privada, como a COPERSUCAR. Os auxílios recebidos permitiram a montagem de uma estrutura laboratorial, a qual foi fundamental para o desenvolvimento dos projetos, contribuindo inclusive para a conclusão de algumas teses de doutoramento.

Durante vários anos o grupo dedicou-se à investigação de espécies nativas da flora brasileira, com ênfase em espécies de Compositae (Asteraceae). Estes estudos resultaram em número significativo de artigos científicos, levando à identificação de número apreciável de estruturas inéditas de lactonas sesquiterpênicas. O foco em espécies de Asteraceae e a divulgação dos resultados com lactonas sesquiterpênicas acabou por associar o grupo a esta família vegetal e à classe de terpenóides. Com a implantação dos cursos de pós-graduação na Unidade em meados dos anos 80 e chegada de novos membros no grupo, caso dos Profs. Drs. Dionéia Camilo Rodrigues de Oliveira, Diones Aparecida Dias e Norberto Peporine Lopes e mais recentemente dos Profs. Drs. Hosana Maria Debonsi, Giuliano César Clososki e Leonardo Gobbo Neto, número expressivo de teses e dissertações foram defendidas, hoje representadas por mais de 50 dissertações de mestrado e 30 teses de doutorado com orientações concluídas, caracterizando uma contribuição importante do grupo para a formação de recursos humanos qualificados. 
       


Confraternização do Grupo NPPNS

Essa estrutura possibilitou a ampliação do campo de atuação científica e a submissão de uma proposta conjunta com outros colegas da FCFRP e outras Unidades da Universidade de São Paulo para um NAP (Núcleos de Apoio a Pesquisa da USP) com maior abrangência nas linhas de pesquisa. Essa proposta foi aprovada como núcleo consolidado e hoje conta com mais de 20 pesquisadores trabalhando em projetos de pesquisa de grande porte.