Profa. Dra. Maria Cristina Nonato

Laboratório de Cristalografia de Proteínas (LCP-RP)

 

Informações para Contatos Acadêmicos

Universidade de São Paulo, Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto, Avenida do Café s/n
Monte Alegre
14040-903 – Ribeirao Preto, SP – Brasil
Telefone: (16) 33154432
Fax: (16) 33154880
e-mail:cristy@fcfrp.usp.br
Curriculum Vitae Completo (CV): http://lattes.cnpq.br/2957078821185186 

 

Áreas de Atuação:

Cristina Nonato é formada em Física pelo Instituto de Física de São Carlos (IFSC-USP). Obteve seu título de Mestre em Física Aplicada (1993) na área de Cristalografia de pequenas moléculas sob a orientação da Profa. Yvonne Mascarenhas e de Doutor em Física Aplicada (1997) na área de Cristalografia de Macromoléculas Biológicas sob a orientação do Prof. Glaucius Oliva, ambos no Instituto de Física de São Carlos (IFSC-USP). Fez dois estágios de pós-doutoramento, o primeiro no Instituto de Física de São Carlos, USP, sob a supervisão do Prof. Glaucius Oliva (1997-1999) e o segundo no Departmento de Química e Química Biológica na Universidade de Cornell, em Ithaca, EUA, sob a supervisão do Prof. Jon Clardy (1999-2001).

É professora associada do Departamento de Física e Química da FCFRP-USP e ministra as disciplinas de Cálculo e Física 1 no curso de graduação em Farmácia, e Introdução à Cristalografia e Cristalografia de Proteínas aos alunos de pós-graduação.

O Laboratório de Cristalografia de Proteínas, sob a supervisão da Profa. Cristina, trabalha na caracterização estrutural e funcional de proteínas de interesse farmacêutico e biotecnológico. Em particular, o laboratório tem interesse na validação de alvos e planejamento de fármacos contra doenças negligenciadas como Doença de Chagas, Leishmaniose e Esquistossomose, e câncer.

Através do uso de uma abordagem multidisciplinar que faz uso de ferramentas in vitro, in silico e in vivo, como técnicas de DNA recombinante, cristalografia de raios-X, técnicas biofísicas, bioquímicas e de biologia celular, os projetos desenvolvidos buscam contribuir não somente no mapeamento do mecanismo de ação destas proteínas, mas visam também a validação de novos alvos farmacológicos e a identificação de ligantes potentes e seletivos para os alvos validados que são utilizados em estudos farmacotécnicos e ensaios pré-clinícos.